Balneário Ponte de Arame, o que pode e o que não pode esse ano


Atípico, 2020 mudou diversos hábitos da população, e uma grande dúvida tem acometido os butiaenses: Como ficará o uso do Balneário Ponte de Arame com a pandemia de Covid-19?


Com a chegada do verão e do calor, é natural que os campistas e tradicionais visitantes procurem se refrescar no balneário. Mas nesse período de Pandemia, o que pode e o que não pode no balneário?


Por isso, o Meta Notícias procurou a Fiscal Sanitária Municipal, Janete Natália, para saber como ficará a situação do Balneário Ponte de Arame nessa temporada. Segundo Janete, está vigorando os decretos 291/2020 o qual altera o decreto 41/2020 que instituía a proibição de pessoas no camping para qualquer fim.


O atual decreto, que entrou em vigor no dia 23 de dezembro, traz a seguinte redação:


I-O acesso dos campistas no Balneário Ponte de Arame será permitido somente para manutenção nas barracas, não sendo permitida a permanência por período superior a 48 horas, com intervalo mínimo de 01 semana.


II-A circulação fora da área da barraca deve acontecer somente de máscaras;


III-Não será permitido o uso das churrasqueiras comunitárias por mais de uma pessoa e seus coabitantes;


IV-No banheiro comunitário, ao lavar roupas deve-se usar pia/tanque intercalados;


V-Não é permitido a troca de pertences particulares (sabão, sabonete, toalhas, escovas...)


VI-É proibida a visitação de pessoas que não são coabitantes dos donos das barracas;


VII-Proibida a aglomeração para eventos como churrasco, jantares, etc.


VIII-A punição pelo descumprimento deste Decreto será o afastamento imediato por tempo indeterminado.



Para Vitor Quintana, campista no Balneário Ponte, as pessoas tem que ter consciência que estamos passando por uma pandemia.


- Muitos idosos vão para o balneário durante a semana, pois é bem mais tranquilo que a cidade e podem descansar. Por isso acredito que vedando um pouco a circulação de quem não possui barraca seria o ideal, na verdade o ideal seria que somente os moradores de Butiá e Minas do Leão pudessem ir ao camping, pois hoje existem diversas barracas com pessoas da Grande Porto Alegre, informou.


Vitor também se preocupa com a questão de higiene e manutenção do camping.


- Os banheiros estão há anos precisando de manutenção, existe lixo e sujeira por todo camping. Isso também é uma questão sanitária, não importa se vão duas pessoas para o camping, ou se ambas irão usar o mesmo banheiro, uma pode infectar a outra, pois não há uma descontaminação dos ambientes. E isso acontece há anos, banheiros sujos, quebrados e com muita falta de manutenção, concluiu.


Vítor Quintana