Cidadã butiaense inicia campanha para ajudar mulheres em pobreza menstrual

Aqui em Butiá tivemos uma iniciativa inovadora e de grande valia para as mulheres, vinda da Letícia Lucas Sena, de 38 anos, bacharel em Direito, que em suas redes pediu apoio das pessoas para doação de absorventes higiênicos para atender as necessidades de muitas meninas e mulheres do município que não tem condições financeiras para arcar com esse produto de higiene.



Você já ouviu falar sobre pobreza menstrual e o que ela afeta na vida de tantas mulheres?

De forma resumida, é a falta de acesso a recursos, infraestrutura e até conhecimento por parte de mulheres para cuidados que envolvam a própria menstruação.


A empresa ALWAYS, após ter acesso a esses dados que constam que milhões de mulheres não compram produtos básicos de higiene durante o período menstrual, como o absorvente, lançou uma campanha para arrecadar este produto para meninas e mulheres sem condições financeiras para arcar com o custo de um artigo de higiene que evitaria transtornos em suas vidas.







A redação do Meta Notícias entrou em contato com a Letícia para entender de onde surgiu a ideia, como foi o retorno de pedido de ajuda e como vão funcionar as doações.


A ideia surgiu através dos comentários que li, ante um questionamento que a Always levantou no Instagram sobre mulheres que utilizavam panos, ao invés de absorventes, e os diversos problemas que isso poderia causar a saúde de cada uma. Oportunidade que me tocou emocionalmente, pois pessoas diziam que muitas não utilizavam, por problemas financeiros. Inclusive teve manifestações nos comentários de pessoas que ajudavam algumas mulheres em São Paulo. Aí pensei: Por que não fazer algo para ajudar nossas mulheres daqui de Butiá em relação a esta vulnerabilidade? Contou Letícia.


A pesquisa realizada pela Toluna indicou que no país, uma em cada quatro meninas já faltou a aula por não poder comprar absorvente: 48% tentou esconder que o motivo foi a falta de absorventes e 45% acredita que não ir à aula por falta de absorventes impactou negativamente o seu rendimento escolar.

Letícia conta do impacto na vida dessas meninas e mulheres frente a impossibilidade de ter um produto simples, de higiene básica, no período menstrual.


Com a falta de condições financeiras essas mulheres não compram absorventes e acabam usando panos, papel higiênico, ou o que tiverem para reter o fluxo o que pode causar infecções, fora o sofrimento com a perda da dignidade, o constrangimento que impede de contar os motivos da falta de aulas, do trabalho aos professores ou chefes, diz Letícia.





Segundo Letícia, a campanha aqui em Butiá começou no dia 1° de julho, no Instagram e no Facebook e algumas pessoas me procuraram através do Facebook, para colaborar, outras pelo instagram, muitas disseram que tinham vontade de colaborar mas não sabiam de que forma. A maioria das doações foram de pessoa física, mas também recebi doações de uma loja e uma clínica.


As doações recebidas por Letícia não são em dinheiro e, sim em produto. Ela monta kit’s com 8 absorventes para a entrega. Nesta segunda-feira (13), ela saiu para realizar as entregas, e nos enviou esses registros de imagem. As doações realizadas fizeram com que fosse possível organizar 60 pacotinhos de 8 absorventes cada, o que totalizou 480 absorventes doados.

Quem quiser participar das doações pode procurar pela Letícia no face ou insta.