Doses de reforço para vacina contra Covid iniciam em setembro

A partir da segunda quinzena do mês de setembro serão distribuídas doses para reforço e será reduzido o intervalo das doses de Pfizer e AstraZeneca, conforme informou o Ministério da Saúde.

O reforço sobre as duas doses da vacina serão, inicialmente, para pessoas acima de 70 anos, que estejam vacinadas há mais de 6 meses, e para indivíduos imunossuprimidos (deficiência imunológica), após 28 dias da segunda dose.



Os imunossuprimidos são portadoras do HIV, indivíduos transplantados, pacientes oncológicos que realizaram tratamento quimioterápico ou radioterápico nos últimos seis meses —, e já receberam a segunda dose da vacina , poderão tomar o reforço a partir do mês que vem.

A vacina que será utilizada para esse reforço será a Pfizer, mas também podem ser utilizadas, de maneira alternativa, a vacina vetor viral da Janssen ou AstraZeneca.

A partir de setembro o intervalo entre as doses da Pfizer e AstraZeneca, vai encurtar, de 12 semanas para 8 semanas, para toda a população.

Todas essas decisões foram tomadas em conjunto entre Conass, Conasems e a Câmara Técnica Assessora de Imunização Covid-19 (CETAI) do ministério.





Conforme o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, essa decisão foi estudada e muito bem pautada.

"Nos reunimos ontem com a Opas [Organização Pan-Americana de Saúde] e com o comitê técnico que assessora a imunização e tomamos a decisão", disse o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.”

O objetivo da terceira dose e da redução do período de intervalo entre as doses, é ampliar a segurança da imunização frente a variante Delta. Mas a decisão sobre aplicação de dose de reforço na totalidade da população só será tomada depois da conclusão de um estudo que o Ministério da Saúde está fazendo em parceria com universidades.