366a4111-2d67-4599-af15-f50961c1bd55.jpg

Joel Maraschin é o mais novo Secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado do Rio Grande do Sul

Jovem butiaense será o primeiro na história a ocupar um cargo de primeiro escalão em um governo estadual.


Há 15 meses sendo o número dois da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do RS (Sedec), como Secretário Adjunto, do Secretário Edson Brum, titular da pasta, Maraschin enfrentou grandes desafios ao lado de sua equipe, ao adentrarem ao Governo Eduardo Leite com a missão de ajustarem as políticas públicas do Estado para retomada econômica pós-pandemia.

A tarefa além de desafiadora era complexa, pois assumiram a Sedec em 9 de maio de 2021, em meio a bandeira preta, comércio fechado e o período que os números mostravam o maior índice de mortes diários devido a pandemia de Covid-19, e a vacinação em massa recém começava a ser realidade. Criar um projeto para reaquecer a economia, gerando emprego e renda precisou der feito com muitas mãos, alterações de leis, apoio de entidades vinculadas à secretaria, mas com esforço colaborativo diário, as medidas foram tomando forma e os resultados sendo colhidos.

Com 34 anos, Joel Maraschin, já é conhecido em Butiá como jornalista e empreendedor, onde atualmente também cursa bacharelado em Ciências e Tecnologia na UFRGS; e Gestão Pública na Unilasalle. Este ano, completa dez anos de vida pública, em uma carreira que iniciou na eleição municipal de Butiá em 2012, quando concorreu a vereador pela primeira vez. Na época com 24 anos, acabou não se elegendo, mas ficando como primeiro suplente daquela legislatura. Em 2016, repetindo a aposta, desta vez levando uma cadeira no legislativo municipal, já com 28 anos, sendo o segundo mais jovem da história do município. Em 2020, devido as circunstâncias do momento eleitoral que passou por diversas reviravoltas na cidade, acabou sendo alçado como postulante ao cargo de prefeito, não se elegendo, mas conquistando cerca de 35% dos votos dos butiaenses.


Em 2021, começou como Assessor Parlamentar na Assembleia Legislativa gaúcha, onde atuou por apenas dois meses, em seguida sendo convidado para compor a equipe do Deputado Edson Brum na Sedec, assumindo como Diretor Geral da Secretaria e Secretário Adjunto. Maraschin acabou se tornando responsável pela interlocução internacional do Governo com investidores e diplomatas, fazendo a promoção comercial do Estado e a atração de novos negócios para o futuro em diversos países. Atualmente também atua como representante do Estado do Rio Grande do Sul na Assembleia Geral de sócios do Badesul, banco de fomento do estado; é conselheiro do Sebrae-RS, e membro do Colégio de Vogais da Junta Comercial e Industrial do Rio Grande do Sul.


Com a saída do Deputado Edson Brum como titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico para ocupar o cargo de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado, Maraschin será empossado como Secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico na próxima segunda-feira, 13 de junho, ocupando pela primeira vez na história de Butiá e da região Carbonífera, um cargo de primeiro escalão como Secretário de Estado.


O Meta Notícias conversou um pouco com Maraschin sobre esse momento político na sua carreira, e os projetos para o futuro:


Meta Notícias – Serão apenas seis meses à frente da Secretaria de Desenvolvimento Econômico até o final do Governo. Da pra fazer alguma coisa neste período que seja relevante e que possa deixar marcas? Maraschin – Serão seis meses como titular, mas o alicerce deste trabalho já vem sendo realizado há 15 meses. Na secretaria há um trabalho contínuo de promoção comercial e atração de investimentos para o Estado, então todo mês sempre tem um legado diferente. Posso citar como exemplo o Fundopem, que é nosso principal programa de benéfico fiscal, Proedi, que é nosso programa de Distritos Industriais, e Protocolos de Intenção, que trabalhamos junto com a Secretaria da Fazenda na instalação de indústrias que precisem de análise tributária diferenciada. Para se ter uma ideia, ano passado esses três programas atraíram R$ 6 bilhões de investimentos para o RS e geraram 15 mil empregos diretos.


Meta Notícias – Como funciona essa parte ligada a promoção comercial do Estado? Maraschin – É literalmente exercer o papel de um vendedor, onde nosso produto é o case de sucessos do Estado, as reformas propostas, a redução de impostos, o pagamento em dia da folha salarial e o pagamento de todos os credores, que no passado havia dado uma má fama ao Estado. Mostramos isso em outros estados para indústrias, associações comerciais e no exterior para embaixadas, em feiras e câmaras setoriais, e isso já tem dado excelentes frutos pro Estado, com a atração de novos investimentos.


Meta Notícias – Como é a visão do Rio Grande do Sul no exterior? Maraschin – O Estado tem uma visão robusta lá fora, pois somos a 4ª maior economia do Brasil, temos o 3º maior aeroporto em fluxo de passageiros e o 2º maior porto de exploração marítima. Temos a melhor universidade federal do país, um dos maiores polos de saúde e especialidades e só perdemos para São Paulo em números de Doutores e pós Doutores, nossa produção tecnológica e científica é respeitada muitos países. Nossos produtos são conhecidos em todo mundo tanto no agro como na setor metal mecânico, agora buscamos nos consolidar na área da química, na geração de energia sustentável e em novos mercados globais.

Meta Notícias - Perder uma eleição para prefeito, e virar Secretário de Estado podes encarar como uma vitória? Maraschin – Muitas pessoas normalmente brincam comigo fazendo essa comparação, eu acredito que as coisas foram acontecendo, pois eu jamais havia planejado isso. Junto com meu grupo nós tínhamos um projeto visionário para mudar a história de Butiá coincidentemente na pauta do desenvolvimento e na modernização dos serviços públicos, todavia a população entendeu que este não era o melhor projeto para a cidade, o que faz parte do processo política, e eu respeito a decisão soberana do povo. Em seguida fui convidado para realizar um trabalho na Assembleia Legislativa, que logo logo acabei recebendo o convite para integrar a equipe da nova Sedec, chegando até esse momento. Mudei de cidade, me distanciei da minha família, cheguei a trabalhar 14h por dia nos primeiros meses, desenvolvendo e montando os programas e novas políticas públicas para a retomada econômica do Estado, após a Covid, e os resultados vieram. Então acredito muito na lei da semeadura, conquistei este espaço através de muito trabalho e muita dedicação, pagando a pena de me ausentar de vários momentos familiares, em troca do desafio assumido, e isso sim encaro como uma vitória. Perder uma eleição é parte do jogo.


Meta Notícias – Da época que foi vereador, qual maior legado que acredita ter deixado para os butiaenses? Maraschin – Acho que fui uma voz muito combativa dentro da Câmara de Vereadores, tinha opinião forte, e dificilmente me convenciam que eu deveria mudar de opinião, pois todos meus votos e manifestações dei em cima daquilo que aprendi na vida como justo, correto e lógico. Quanto a legislações minhas ‘meninas dos olhos’, posso dizer que são: a que veda a nomeação de pessoas condenadas na Lei Maria da Penha em cargos de confiança; a que inclui pessoas com espectro autista no atendimento preferencial nos estabelecimentos públicos e privados; a que criou a Semana do Empreendedorismo, Negócios e Inovação; e a que isenta pessoas com câncer do pagamento do IPTU.


Meta Notícias – E na Secretaria de Desenvolvimento, qual legado quer deixar para os gaúchos? Maraschin – Um legado já está acontecendo, onde trabalhei junto da equipe que idealizou e elaborou o programa Juro Zero do governo estadual. Através do subsídio de R$ 100 milhões de juros, emprestamos quase R$ 400 milhões para MEIs, para MEs, e para EPPs, sem juros, em menos de seis meses. Isso ajudou muito no reaquecimento da economia. O próximo passo agora é um projeto de desenvolvimento para o futuro da metade sul, que está sendo feito o escopo em parceiras com outras secretarias.

Veja Também